PALAVRA DA SEMANA!

HÁ UMA PORTA ABERTA  NO CÉU!

portas para TL

Texto base: (Apocalipse 4:1 NVI)

Depois dessas coisas olhei, e diante de mim estava uma porta aberta no céu. A voz que eu tinha ouvido no princípio, falando comigo como trombeta, disse: Suba para cá, e mostrarei a você o que deve acontecer depois dessas coisas.

Então olhei e — oh! — uma porta aberta para o céu. A voz de trombeta, a primeira voz na minha visão, me chamou: “Suba e entre. Vou mostrar o que está para acontecer”. Bíblia A Mensagem.

Então quando olhei, vi uma porta aberta no céu, e a mesma voz que eu tinha ouvido antes, que soara como um poderoso toque de trombeta, falou comigo e disse: “Suba para cá eu lhe mostrarei o que deve acontecer no futuro!”. Bíblia Viva.

Entendo que se vem um tempo de portas abertas, de acesso liberado. Uma palavra de ordem ecoará: Passem, passem pelas portas! (Isaías 62:10 NVI).

 Ênfases do texto:

Depois dessas coisas olhei…

Depois dos acontecimentos vividos.

Depois de um ciclo que se fechou.

Depois de uma estação que findou.

Fala que uma porta se abre como sinal de que:

algo se fechou,

algo ficou para atras,

etapas que concluem,

ciclos que se fecham.

Isto é altamente profético, algo esta ficando para atras e estamos sendo lançados para um novo ciclo, uma nova etapa, uma nova estação, novas oportunidades (portas)…

uma porta aberta no céu.

 Porta fala de:

Quando atravessamos essa porta:

Nossa visão muda.

Nossa percepção muda.

Nosso discernimento muda.

Temos acesso a uma sabedoria divina extraordinária.

O passar pela Porta me da aceso a uma revelação maior com relação aos acontecimento que viram.

Com base na declaração que a voz tinha sido ouvida anteriormente, sou inclinado a crer que a voz abre a porta.

 Acredito que este tem que ser o Rema: A voz que abre a porta.

 A ênfases aqui é na voz que temos que ouvir.

 Se não ouvimos a voz por consequência não veremos a porta aberta.

 O ouvir ativa o ver,  se não ouço a Voz não tenho condições de ver.

Uma voz como trombeta.

Uma voz :

Nítida.

Que anuncia algo.

De alerta.

Voz como trombeta.

 dizendo: Suba para cá

 A voz, como de trombeta, traz uma ordem: Suba para cá

Este imperativo aponta para que uma porta que se abre demanda um nível mais alto para ser acessada.

Lembrar que subir nosso nível espiritual esta intimamente ligado com o tempo de intimidade, com o tempo de buscar ao Eterno até que ele venha. Oseias 10:12.

 e mostrarei a você

 Neste novo nível se nos dará a conhecer coisas que não sabemos, conhecemos, que não temos vivido.

 Conclusão.

 Estimular a ouvir a Voz para poder enxergar a porta aberta.

Estimular a subir o nível espiritual para poder passar pela porta e desfrutar deste novo tempo, que vem sobre nossas vidas.

Perguntas a serem feitas.

Que tem impedido ouvir a Voz de Deus?

Que me impede deixar meu antigo nível e avançar a um novo nível espiritual que me esta sendo proposto?

 Que me segura, me impede avançar, alcançar um novo nível espiritual?

 Observação:

É claro que um tempo de portas abertas aponta para portas na área material, mas por favor dar ênfases nas portas espirituais que se abriram.

Falando disto, ha uma porta que se nos abrira neste tempo e é a porta do entendimento. Creio firmemente que esta porta será aberta para nós, mas para isso teremos que nos propor a subir, subir nosso nível espiritual.

NINHO DASComunidade Apostólica “Ninho das Águias”

Ensinando uma geração a voar!

CORRENDO COMO O ETÍOPE!

image

Nesta oportunidade quero compartir um  ensino que tem como base o texto de 2ª de Samuel 18: 19 – 32.

Este texto relata como foi escolhido o mensageiro para levar ao rei Davi, a notícia da morte de seu filho Absalão.

O texto relata que Aimaás queria levar a notícia, mais Joabe entendeu que Aimaás não era a pessoa certa para cumprir esta missão. Por esta razão, a um etíope lhe foi encomendado dar a notícia ao rei.

Mesmo após a saída do etíope Aimaás insistiu com Joabe para levar a notícia, cansado com tanta insistência, Joabe, autorizou Aimaás a levar a notícia.

O versículo 23 diz que, Aimaás correu pelo caminho da planície, e ultrapassou o etíope. Chegou primeiro.

Quando ele deu a notícia da vitória sobre os inimigos do rei, o rei estava querendo saber sobre seu filho Absalão, mas para esta pergunta Aimaás não teve resposta, por esta razão o rei quis saber o que o outro mensageiro tinha a dizer, e colocou de lado Aimaás.

Chegando o etíope deu a notícia, o rei perguntou-lhe a mesma pergunta que tinha feito para Aimaás, e a resposta do etíope foi Absalão era um dos inimigos mortos e vencidos. Ao ouvir a notícia da morte de Absalão, David foi tomado por uma profunda tristeza.

Bem, esta é a história. Nestes poucos versos há alguns princípios importantes que eu gostaria de destacar.

O primeiro princípio está no versículo 23.

Mas ele insistiu: Não importa o que aconteça, quero ir. Disse então Joabe: Pois vá! E Aimaás correu pelo caminho da planície e passou à frente do etíope.

(2ª Samuel 18:23 NVI)

Quero apresentar o texto em mais duas versões, para que possamos melhor compreender e aplicar este princípio.

-Concordo, mas deixe-me ir, ele implorou. Joabe finalmente disse, ‘Ok, você pode ir. Então Aimaás tomou o caminho mais fácil e correu pela planície e chegou a Maanaim antes do etíope. (2 Samuel 18:23 New Living Translation)

 

“Não importa, de qualquer maneira, eu quero ir”, disse Aimaás. E Joabe finalmente disse, Bem, então vá. Então Aimaás tomou um atalho através das planícies e chegou lá antes que o soldado etíope. (II Samuel 18:23 NLT) A New Living Bible, Inglês.

Eu quero comparar esta parte dos versículo:

Então ele disse: Corre. Ele correu Então Aimaás o caminho da planície e ultrapassou o etíope.

 

Então Aimaás tomou o caminho mais fácil e correu pela planície e chegou a Maanaim antes do etíope.

 

Então Aimaás tomou um atalho através das planícies e chegou lá antes que o soldado etíope.

 

As duas últimas versões me trazem a informação que o caminho da planície não era um simples caminho, era o caminho mais fácil, era um atalho.

Pessoalmente, penso que aqui esta a revelação. Aimaás pelo desejo de comunicar a notícia em primeiro lugar tomou o caminho mais fácil, pegou um atalho.

Quantas vezes nós não fazemos o mesmo. Ao estar frente a uma decisão pegamos um atalho por nos parecer o caminho mais fácil. Aqui eu quero trazer à mente que Jesus afirmou ser o Caminho e não um atalho. Outra coisa importante que ele disse:  que a porta e o caminho são estreitos. Nestes textos a palavra estreito pode-se relacionar com renúncia. Jesus queria que pudéssemos entender que para entrar pela porta temos que renunciar, e que durante a caminhada temos que renunciar a tudo aquilo que me impede caminhar.

Esta é a exortação do escritor aos Hebreus, no capítulo de número 12:

Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta… (Hebreus 12:1 NVI)

Para correr a corrida que nos está proposta, para andar pelo caminho, eu preciso deixar, todo peso que nos atrapalha o caminhar.

Voltando ao nosso princípio, devemos nos pergunta quando estamos para tomar uma decisão: que vou fazer?

Vou seguir pelo caminho, ou vou pegar um atalho?

Infelizmente muitos escolhem o atalho por pensar ser o caminho mais fácil. Precisamos entender que o mais fácil não é o caminho que Deus preparou para nós caminhar.

“Assim como os céus são mais altos do que a terra, também os meus caminhos são mais altos do que os seus caminhos; e os meus pensamentos, mais altos do que os seus pensamentos. (Isaías 55:9 NVI)

Pense nisso!

O segundo princípio é o seguinte:

Não é vantajoso chegar em primeiro lugar senão vou corresponder à demanda do rei.

O texto relata que Aimaás chegou primeiro, mas por não corresponder a demanda do rei foi colocado ao lado enquanto o rei ia ao encontro do segundo mensageiro esperando ter a resposta para sua indagação.

É importante ressaltar aqui o seguinte pensamento: “o atalho dá garantias de chegar em primeiro lugar, mas não me dá a garantia de que vou cumprir a minha missão”.

O apóstolo Paulo escreveu o seguinte a ao respeito de como devemos correr:

Vocês não sabem que, de todos os que correm no estádio, apenas um ganha o prêmio? Corram de tal modo que alcancem o prêmio. (1ª Coríntios 9:24 NVI)

 

O apostolo Paulo aconselha ao jovem Timóteo a correr de maneira legitima conforme as regras estabelecidas.

Semelhantemente, nenhum atleta é coroado como vencedor, se não competir de acordo com as regras. (2ª Timóteo 2:5 NVI)

Correr de forma legítima é não tomar atalhos.

Correr de maneira que alcancemos o prêmio indica que não é suficiente chegar primeiro eu tenho que corresponder a demanda.

Aqui eu gostaria de apresentar um outro princípio que está inserido: o fato de não corresponder à demanda evidenciou que Aimaás foi roubado,  tinha tanta vontade em anunciar a notícia que ignorava o conteúdo da notícia.

A falta de conteúdo revela superficialidade, ou alguém sem profundidade.

Superficialidade é o antônimo de profundidade. E profundidade é sinônimo de maturidade.

Profundidade tem  a ver com raízes, ou seja, uma pessoa com raízes é um pessoa madura e o maduro está preparado para atender à demanda do rei.

… lançará raízes (raízes profundas) na terra e se encherão de frutos os seus ramos. (Isaías 37:31 NVI)

Quanto à semente que caiu em terreno pedregoso, esse é o caso daquele que ouve a palavra e logo a recebe com alegria. Todavia, visto que não tem raiz em si mesmo, permanece pouco tempo. Quando surge alguma tribulação ou perseguição por causa da palavra, logo a abandona. (Mateus 13:20, 21 NVI)

Para fortalecer a idéia de profundidade e maturidade lhe convido a ler este texto.

O Bambu Japonês

Que incrível é cultivar o bambu  japonês! Você tem que ser muito paciente se você quiser obter resultados. Há que prepara a terra, aduba-la, regada-lá e deve estar protegidas contra pragas. O processo requer cuidados permanentes. Semanas e até meses depois, nada se percebe no local onde está plantado. Com o passar do tempo o produtor deve redobrar seus esforços. O primeiro ano nada parece acontecer, e acontece o mesmo com o segundo, terceiro e quarto ano.

Mas o agricultor não se desespera pensando que fracassou. Entre a água, fertilizantes e constante cuidado passa o quinto e sexto ano. Finalmente, no sétimo ano no sulco aparece um broto que se transformará numa planta maravilhosa, em poucos dias alcançara grandes alturas. Entre a décima segunda e a décima quarta semana ultrapassara os 12 metros de altura! Valeu a pena a espera e o esforço.

Mas realmente o bambu japonesa leva doze ao quatorze semanas para chegar a essa altura? Não. Por sete anos, cresceu sob a terra em silêncio, produzindo um sistema de raízes forte que lhe permitirá alcançar rapidamente grandes alturas após ter brotado da terra. Isto faz com que seja uma das espécies mais fortes e mais duráveis ​​do reino vegetal. Ventos intensos geralmente atingem a costa do Japão, varrendo árvores e arbustos de todas as espécies, exceto o bambu japonês. É tão forte e flexível, que sempre resiste. É um símbolo de triunfo, de êxito.

Como o bambu japonês, algumas pessoas passam anos sem apresentar qualquer sinal de mudança ou melhoria em suas vidas. Muitos os vem de maneira cética, com dúvida, com receio, supondo que eles nunca alcançarão o clímax da superação. No entanto, eles têm fé em si mesmo e permanecer crescendo por dentro, criando raízes e se preparando. Melhorando diariamente sem que os outros percebam. Ao longo dos anos, aparece um “pequeno broto”, um acontecimento especial. E, de repente, você pode vê-los crescer até alcançar alturas formidáveis. Seu segredo  esta em ser  paciente e perseverante. Tem raiz forte dentro si, e nenhum furacão será capaz de arrancar os seus sonhos que lhes foram confiados.

Assim é vida dos que aceitaram caminhar com Deus. O filho de Deus cresce na graça dentro, lança fortes e profundas  raízes de fé através do Espírito Santo. Jesus Cristo, o Filho de Deus, prometeu nos transformar e fazer de nós novas criaturas. Ele é o agricultor que nos dá fertilizantes, água e cuidados para que no Seu tempo brota um rebento que se transformará numa planta extraordinária que vai crescer de maneira surpreendente.

A fim de corresponder à demanda do rei eu tenho que correr pelo caminho traçado e ter todo o conteúdo.

Aqui é necessário entender um pequeno, mas significativo detalhe. Quando Joabe deu a ordem para etíope lhe disse o seguinte:

Então Joabe ordenou a um etíope : Vá dizer ao rei o que você viu. O etíope inclinou-se diante de Joabe e saiu correndo para levar a notícia. (2 Samuel 18:21 NVI)

Faço notar a seguinte frase: Então Joabe ordenou a um etíope : Vá dizer ao rei o que você viu.

Nesta declaração, para mim,  resume o sucesso do etíope, ele tinha visto, ele foi uma testemunha ocular dos acontecimentos. Isso significa que a Aimaás lhe faltou algo que  o  incapacitou de corresponder à demanda do rei. Hipoteticamente, eu creio, que ele não viu o que tinha acontecido. Se ele não viu o que tinha  acontecido, eu creio, que ele ouviu o que aconteceu. Com base nesta declaração, posso dizer que ter ouvido não foi suficiente para corresponder à demanda do rei.

Agora, quero que tome atenção nesta declaração do Evangelho de João:

Ele testifica o que tem visto e ouvido…(João 3:32 NVI)

Isso significa que para corresponder à demanda do rei, para ser uma testemunha verdadeira , tenho que ver e ouvir.

Observe outro texto:

Meus ouvidos já tinham ouvido a teu respeito, mas agora os meus olhos te viram. (Jó 42:5 NVI)

Jó está declarando que no passado era superficial, imaturo, só conhecia Deus de ouvir falar, mas que depois de tudo o que aconteceu com ele se tornou maduro, profundo.

Portanto, deixemos os ensinos elementares a respeito de Cristo (a superficialidade) e avancemos para a maturidade…(Hebreus 6:1 NVI)

Para concluir, eu quero deixar algumas perguntas:

Com quem você se parece mais, com Aimaás ou com o etíope?

Em que situações você toma o atalho, porque lhe  parece ser o caminho mais fácil?

Pensa que você tem raízes profundas?

Eu quero declarar  que o Espírito traga alinhamento sobre a tua vida de modo que quando você estar diante do rei possa corresponder a sua demanda.

Observação:

Quando uso a palavra “fácil” em relação ao caminho, de jeito nenhum quero passar a impressão de que a dificuldade é a prova de que algo é de Deus.

Quando declaro que Aimaás escolheu o caminho mais fácil, estou referindo-me a que muitas vezes somos levados a pensar que fazer o que é certo é difícil e fazer o que  é errado é mais fácil. Refiro-me que muitas vezes somos levados a pensar que não cumprir um princípio é mais fácil que cumpri-lo e aplicá-lo em nossas vidas. Por exemplo, quantas vezes somos levados a pensar que é mais fácil mentir do que dizer a verdade. Bem, é a esta “facilidade” que me refiro, de nenhuma maneira quero passar a idéia de que aquilo que é fácil é do diabo e o difícil é de Deus.

Dario Hernández Giraldi

Comunidade Apostólica “Ninho das Águias”.

¡Ensinando uma geração a voar!

 

ASSENTADO NUM BANCO IMPROVISADO…

Certo dia, estando em Cuba, participando de um culto numa casa, numa casa – igreja. Estávamos numa área modestamente telhada, nossos assentos eram bancos improvisados com um par de blocos e uma tabua por cima. Num lugar havíamos umas 20 pessoas. No momento da adoração o Espírito falou fortemente comigo: O Espírito me trouxe o seguinte comando: Observa o lugar onde você está. Olhe a meu redor e deparei no simples do lugar, mas na alegria das pessoas que estavam ai, eles adoravam ao Eterno declarando a sua bondade pelas suas vidas. Ai o Espírito me fez a seguinte pergunta: Onde estão os que se proclamam bispos, apostoles, patriarcas…? Confesso que não teve resposta, ai o Espírito me falou: Eu sei onde estão. Estão nas suas grandes igrejas, assentados em cadeiras acolchoadas, em ambientes com ar acondicionado, preocupados de dar conforto e entretenimento a seus membros. Preocupados numa nova campanha de prosperidade para aumentar seus fundos. Pensando em trazer um “figurão gospel” para manter seus membros entretidos. Pensando em novas atividades para manter seus membros entretidos para que não possam pensar nem questionar as suas ações. Quero deixar claro que acredito no ministério apostólico e profético e que sei que há verdadeiros apostoles, mas lamentavelmente vivemos uma “diarreia apostólica” no Brasil e no continente latino-americano. Hoje a troca de nomes nas placas das igrejas para apostólica é um fenômeno marcante em nosso país. Ignorância. Pensa-se que a mudança do nome na placa mudara a mentalidade. Percorro o Brasil e com tristeza vejo igrejas travestidas de apostólicas. Outra aclaração que acho oportuna é a seguinte, acredito na prosperidade com base nos princípios da bíblia e não na TEOLOGIA DA PROSPERIDADE. Acredito que uma igreja precisa de uma estrutura modesta e simples para poder funcionar, mas não acredito em exageros e exuberância. Também sei que nem todos são como nós: Ninho das Águias, uma igreja atípica, com 35 famílias, umas 120 pessoas, que se reúne no pátio de uma casa não por falta de recurso, mas por opção, já que, decidimos investir em vidas ao invés que em cosas. Em três anos de existência temos tocado as nações que o Eterno tem colocado na nossa frente (Espanha, Chile, Cuba e proximamente Rússia e Honduras, se o Eterno nos permitir), e temos ajudado no sustento de missionários: no Peru, na Argentina, na Colômbia, na Holanda, em Cuba e no Brasil. E sustentamos uma filha de nosso ministério que se está preparando para trabalhar nos países de língua portuguesa. Neste tempo de preparação ela já tem estado em Moçambique duas vezes. Quando compartimos o que fazemos as pessoas nos perguntam: como vocês fazem sendo uma igreja nessas condições e tamanho? Na verdade, para sermos sincero, nem a gente sabe, o único que temos que responder é que ouvimos uma voz e tentamos obedecer, e a consequência da nossa obediência são os recursos para fazer o que precisamos fazer. Aqui algo tem que ficar bem claro: temos consciência que não fazemos mais nem menos que aquilo nos corresponde fazer e isto é obra do Eterno nas nossas vidas, tudo o mérito é dele e não nosso. Mas acreditamos que algo precisa mudar, devemos rever nossas prioridades, alinhar a nossa visão e pensar menos em nós, nas nossas igrejas e mais no reino que necessita ser estendido na terra. É tempo de parar de construir os nossos “reininhos” e edificar o seu Reino!
Profeta e pastor Dario Hernández Giraldi.


PALAVRA PROFÉTICA DO APÓSTOLO RONY CHAVEZ PARA 2012


Cada fim de ano o Senhor é bom para conosco ao nos dar um vislumbre das coisas que estão por vir. Antecipo que isto não é tudo o que Deus nos dirá, mas tão somente uma “Guia” que nos ajudará a caminhar nos próximos meses, focados em Sua Palavra Profética para fazermos Sua vontade soberana. Para este fim de 2011 temos a seguinte reflexão que nos levará à 2012.

GUIA PROFÉTICA DO ANO 2012

Apóstolo Dr. Rony Chaves

É muito importante para nós, como povo de Deus, recordar que Ele, o Senhor, é um Deus de Processos e de Tempos. Coisas que Ele nos anunciou em 2010 e em 2011 não desaparecerão nem deixarão de se cumprir pelo fato de que um novo ano começa. Na verdade, elas se manifestarão com mais poder na terra e seu cumprimento profético se acelera.

O que fora anunciado pelo Senhor e que ainda não entrou em sua esfera de cumprimento é parte de um “Processo Profético Divino”.

Em 2012, muitas coisas que já estão sucedendo no mundo e na Igreja crescerão e se manifestarão com mais força.

O Senhor é o Deus de Planos e Propósitos. Nada acontece por acaso ou sorte, da noite para o dia. Tudo obedece a um Plano Divino, perfeitamente traçado pelo Eterno com respeito ao sucesso, lugares e tempos.

Deus está no controle absoluto do que acontece sobre a face da Terra e entre Seu povo. Este Plano Divino está devidamente anunciado através dos tempos e da bendita Palavra de Deus, e está em concordância total com o que foi anunciado pelos profetas do Senhor, tanto na Antiguidade como nos tempos presentes.

O Plano Profético de Deus vem sendo revelado ao Corpo de Cristo através do Ensino Apostólico e Profético dos Apóstolos e Profetas estabelecidos pelo Senhor para edificar, direcionar e instruir a Seu povo nos últimos tempos, mesmo em meio à zombaria, escárnio e da critica legalista e religiosa de alguns medíocres que perderam o rumo do Espírito há muito tempo, e que, para justificar seu mau serviço na obra de Deus, vivem difamando e denegrindo aos Ministros sérios do Altíssimo.

Devemos recordar o que o Espírito Santo nos disse que aconteceria ou seria incrementado de 2010 em diante, bem como, o que em 2011, ANO DA MEDIDA EXTRA, ganharia mais força.

Em 2010 o Evangelismo Profético emergiu com poder. Um novo ciclo de Missões Latino-Americanas teve inicio. O crescimento do Povo Latino de Deus na America do Norte foi ativado. O decolar da Nova Geração começou e o despertar da consciência da Igreja para a obra de ação social teve inicio.

Em 2010 o Profético elevou-se à um altíssimo nível e com isto se desatou uma extraordinária onda de sobrenaturalidade, que deu à Ministros e Congregações o início de novas etapas e novas dimensões ministeriais.

Deus acelerou neste ano a concentração de um maior peso de Glória sobre a America Latina e ativou tempos de investidura de poder e de novo posicionamento do Seu povo na sociedade.

O Espírito Santo nos anunciou que 2010 seria um Ano de Grande Sinais no Céu e na Terra, e todas estas coisas foram cumpridas por Ele.

Em 2011 o Espírito Santo anunciou Seu enfoque no trabalho com a Família, bem como, um grande impulso para a nova geração de Empresários Jovens, para a Juventude e para o Ministério da Mulher.

2011 foi projetado pelo Senhor como um ano no qual surgiriam novas crises financeiras e novas oportunidades para os filhos de Deus. Seriam meses recheados de milagres incomuns e de poder profético.

ANO 2012

O ano 2012 será um ano importantíssimo para a Igreja de Cristo e seu amadurecimento. O Espírito Santo atua com o que Ele anunciou através da linguagem simbólica de Sua Palavra.

O número 12 na Bíblia está totalmente relacionado com a ORDEM, o GOVERNA, as ESTRATÉGIAS e a AUTORIDADE do Reino de Deus. A ordem, o governo, as estratégias administrativas e a autoridade de Deus estão intimamente relacionados com o Apostólico.

O número 12 aparece nas Escrituras muitas vezes, desde o livro de Genesis, relacionado com o Governo e a Administração do Senhor para com Seu povo (Doze foram as tribos de Israel e também as Regiões definidas por Salomão quando organizou a Israel).

No Novo Testamento, o 12 aparece várias vezes nos Evangelhos e no Apocalipse relacionado ao Modelo de Governo de Deus para a Igreja, através dos Apóstolos e demais Ministérios estabelecidos por Jesus (de acordo com Efésios 4:11, são: Apóstolos, Profetas, Evangelistas, Pastores e Mestres).

Os Apóstolos foram estabelecidos primeiro pelo Senhor para governar, edificar e ensinar Sua Igreja (1 Cor. 12:28). Portanto, é necessário anunciar profeticamente que em 2012 se inicia um Novo Ciclo de 7 anos que trarão o incrementar da manifestação do Poder Apostólico na Igreja, bem como, aos Ministros Apostólicos em meio às nações.

Isto acontecerá inevitavelmente:

•Maior manifestação de Milagres, Curas e Sinais que evidenciarão a Presença do Cristo Ressuscitado em meio à Sua Igreja.

•Aumento da Obra Social da Igreja no mundo, como estratégia Divina para a transformação de nações e comunidades. Deus suprirá tudo o que for necessário para os Projetos evangelísticos de ação social (Centros de Restauração, Orfanatos, Clínicas, etc).

•Maior entendimento sobre a tarefa dos verdadeiros Apóstolos de Jesus, suas esferas de autoridade, da unção que lhes foi designada e do caráter humilde que devem evidenciar em seu processo de amadurecimento (A Igreja será livre do abuso e da sede por proeminência de alguns Apóstolos).

•Intensificação da oração e intercessão profética por suas nações e territórios. Deus colocará em Seus Apóstolos e Profetas, uma carga maior por ativar a Igreja na Guerra Espiritual Estratégica Territorial com mais força. Novas e contundentes estratégias do Espírito nos serão dadas para liberar regiões. Os intercessores serão muito abençoados pelo Senhor.

•Aumento do enfoque do Espírito Santo sobre o trabalho e o apoio às crianças e jovens. Ele os levantará, mesmo com pouca idade, em Liderança política, profissional e empresarial nas cidades, congregações e ministérios. Todo Ministério que respalde a infância e a juventude terá muitíssimo favor de Deus.

•Fortalecimento do Mover Apostólico e Profético em muitas partes do mundo. Denominações tradicionais e Ministros reconhecidos se abrirão ao fluir Apostólico em suas cidades, dando testemunho de sua transformação.

•Se iniciarão Movimentos de Transformação Nacional em diferentes países para trazer a Cultura do Reino com evidencias do poder de Deus. A América Latina será impactada pelo Espírito Santo de maneira poderosa. Várias nações começarão a evidencias o início de uma grande processo de Avivamento em si mesmas.

•Surgirão novos falsos profetas e falsos mestres por muitos lugares. A Igreja deve prová-los e exigir sinais, identificação de suas coberturas e dados de suas trajetórias. Devemos ter cuidado com eles.

•Continuam os tempos de “Honrar”. Abençoemos aos que merecem honra por seu serviço ao Senhor.

•Terão continuidade as mudanças na política e na geografia das nações. Mateus 24 se cumprirá de forma contundente como anúncio da manifestação em Glória do Senhor e de Seu Reino.

2012 EM DUAS PERSPECTIVAS

O ano de 2012 corresponde ao Ano Bíblico de 5772, que por sua vez, está relacionado através dos códigos numéricos e das letras do alfabeto hebraico, com a expressão “Porta”.

Isso implica em que a partir de 5772 (2012), nos será aberta uma gloriosa porta Dimensional do Senhor, que dará início a um ciclo ou processo de 7 anos de tratamento Divino com o mundo e com Sua Igreja, para prepará-la para uma extraordinária manifestação do Espírito Santo e de Sua Glória.

O surgimento do Ano 5772 (2012) implica em alinhamento com os planos e a Agenda de Deus. Ele mesmo afinará nossos ouvidos espirituais para atendermos às Suas Convocações. Uma Grande Cortina se abrirá chamando-nos a enfocarmo-nos na Casa do Senhor.

O novo Ano que vem, nos anuncia que o Eterno estará poderosamente enfocado em afirmar a Identidade de Seus filhos. Isto também faz com que venham tempos de grande revelação Divina sobre nossa identidade em Cristo, nosso propósito de existência e sobre nosso futuro sobre a Terra.

O ano 5772 (2012) também significa: “Nuvem Espessa”. O que nos relaciona especificamente com a promessa de Deus dada no Salmo 65:11, no qual Deus nos promete derramar sobre nossas casas, Sua abundância, em forma de nuvens espessas, ou seja, unção de prosperidade.

De 5772 até o ano 5778 (de 2012 a 2018), o Senhor trabalhará em Seu povo para afinar entre eles os princípios de vida do Reino, sua cultura e nossa vida em família. Todo ministério que se enfoque em desenvolver planos para a família será muito prosperado.

2012 será uma Ano Apostólico por excelência. Iniciou-se em ciclo de 7 anos nos quais Deus fará mudanças substanciais com respeito à Justiça em nossas nações e trará Sua Ordem, Seu Governo e Modelo Soberanos. Ele posicionará Seus filhos em postos chaves de nossa sociedade. Devemos esperar depuração na Política dos países da América. Amem!
ATO OU ATITUDE EIS A QUESTÃO!

Definiremos ATO simplesmente como uma ação, o fazer.

Definiremos ATITUDE como a soma entre a reflexão e o fazer.

Dentro do mundo das atitudes temos: Atitude Positiva e Atitude Negativa.

Definiremos Atitude Positiva como a reflexão seguida de uma ação a qual expressa não àquilo que quero fazer, mas aquilo que devo fazer e o porquê devo fazê-lo.

Definiremos Atitude Negativa à reflexão seguida de uma ação a qual expressa o que quero fazer sem importar o que devo e o porquê fazer.

É importante destacar que a religiosidade caminha de mãos dadas de Atos. E o reino é construído por Atitudes.

É muito importante que nestes dias tenhamos a revelação da atitude e não nos conformemos mais com a revelação do Ato.

Este Novo Tempo que tanto proclamamos tem que nos revelar a Atitude, para que com a força desta revelação possamos destronar o Ato das nossas vidas.

Não esqueça que o Reino se constrói com ATITUDES e nunca com ATOS.

Exemplos:

O Fariseu e o Publicano.

O Fariseu é movido pelo ato, mas o Publicano tem uma atitude. Depois de analisar a sua vida, o seu comportamento, ele chaga a conclusão de que ele não é digno e que precisa da misericórdia de Deus. Este homem, o Publicano, por tido a ATITUDE correta desceu justificado a sua casa.

Os ricos e a viúva das duas moedas.

Os ricos davam daquilo que sobrava, era mais um fazer por fazer, por aparência. Mas a viúva depois de analisar para quem estava ofertando, e ao chegar à conclusão que a sua oferta não era para homens, nem para coisas e sim para Deus, resolveu dar tudo o que ela tinha. Por ter tido a ATITUDE correta Jesus exalta a sua vida e a sua atitude.

O irmão mais velho e o prodigo.

O irmão mais velho obedecia às ordens, sempre estava fazendo, mas não tinha claro dentro de sim que era um filho e não um escravo. Sua vida era movida a ATOS. Agora o prodigo mesmo abandonando a casa paterna ele teve a ATITUDE correta. O texto de Lucas 15 declara que caindo em si, isto é reflexão, isto é analise tomou a atitude correta de retornara a casa do pai.

Desta historia se desprende algo importante para destacar. Aqueles que são movidos por atos sempre perderam a compostura quando aquilo que eles fazem não seja aceito ou recompensado. Isto fica expresso claramente na historia de Caim e Abel. Caim era movido pelo ATO, e pela força do ATO trouxe a sua oferta. Abel era movido pela ATITUDE e pela força da ATITUDE trouxe das primícias de seus rebanhos. Que oferta foi aceita, a movida pelo ATO ou pela ATITUDE? O texto declara que Deus se agradou da ATITUDE (oferta) de Abel e rejeitou o ATO (oferta) de Caim. Que aconteceu com Caim? Seu interior se agitou, se sentiu injustiçado. E como tudo o que começa no meu interior se manifesta no exterior, o texto declara que seu semblante manifestou o agito de seu coração.

Aqueles que se movem por ATOS não sabem diferenciar entre aprovação e aceitação e entre desaprovação e rejeição. É importantíssimo ter isto muito claro. Deus não rejeitou a Caim, ele rejeitou a sua oferta, mas Caim se sentiu rejeitado. Este é o sentimento, é o sentimento que experimentamos quando nos movemos pela força do ATO.

Precisa ficar claro que todo filho do reino precisa se apresentar aprovado, isto quer dizer que sua obra precisa passar pelo crivo para ser aprovada ou desaprovada. Tudo o que fazemos precisa ser avaliado, mas como não estamos acostumados às avaliações nos sentimos rejeitados.

Pare e pense nisto! Depois de pensar dialogue, e deixe seu comentário.

UNÇÃO PROFÉTICA!

A verdadeira unção profética trata com as intenções dos corações, e não em dar “profecias individuais ” que satis­façam o “eu ” das pessoas. O profeta vê o coração da pessoa dentro do plano de Deus. Ele conclama à mudança, alertando sobre o juízo iminente. Chegando à uma congregação, ele não precisará usar o velho chavão de “assim diz o Senhor” e, contu­do, poderá profetizar durante toda a mensagem! A atmosfera da Igreja muda, pois o profeta trata com os motivos dos cora­ções, levando as pessoas ao verdadeiro arrependimento. Sua mensagem anuncia uma nova e precisa direcção às pessoas. O resumo de sua mensagem, seja à igreja ou a uma pessoa é: “Volte-se para o Senhor; há um novo mover de Deus sobre a Terra!”

O ofício do profeta não está limitado a um culto em que as pessoas ficam em pé e recebem uma palavra profética; se bem que isso muitas vezes pode ocorrer. Ele pode dar uma pa­lavra de Deus a uma única pessoa, como Ágabo a Paulo em Actos 21:10, 11. Naturalmente que essa não é a ênfase de seu ministério.

Silas, companheiro do apóstolo Paulo, era um profe­ta, conforme vemos em Actos 15:32. Não o vemos, contudo, andando de igreja em igreja, dando “palavra pessoal”; Silas aparece exortando os irmãos a permanecerem fiéis ao Se­nhor.

Alguns intitulam a si mesmos “profetas”, e saem por aí “entregando uma palavra do Senhor”. São pessoas que nem sempre têm o coração reto para com Deus c, em alguns casos, são ” auto – enviadas”, deixando os irmãos frustrados e desapon­tados. As palavras que falam vêm do próprio coração, e em alguns casos, de espíritos familiares. Podem até falar “boas palavras”, mas Deus não as enviou a pregar nem colocou as palavras na boca.

“Não mandei esses profetas; todavia, eles foram cor­rendo; não lhes falei a eles; contudo, profetizaram. Mas, se tivessem estado no meu conselho, então, teriam feito ouvir as minhas palavras ao meu povo e o teriam feito voltar do seu mau caminho e da maldade das suas acções ” (Jr 23:21, 22 – grifo do autor).

Eis o que Deus diz a respeito das pessoas que enviam a si mesmas: “… falam as visões do seu coração, não o que vem da boca do Senhor” (Jr 23:16 – grifo do autor).

No mesmo capítulo, Deus diz que esses profetas auto – enviados poluem a Terra, e por causa de suas profecias, o povo de Deus é desvalorizado (versículos 15 e 16).

Procure ver a motivação por trás do ministério. O povo está se voltando para Deus? Ou as pessoas estão ficando cada vez mais dependentes dos “profetas” e de seus dons?

Um dos subprodutos dessa onda profética são pessoas correndo de um lado para o outro, buscando uma “palavra” de Deus. Elas têm como foco a si mesmas. Buscam envaidecer o eu. Em vez de se voltarem para o Senhor, abandonando os seus maus caminhos, elas buscam os “profetas” para terem alguma resposta de Deus.

Jesus nos ensina a reconhecer entre o falso e o verda­deiro profeta. “Pelos seus frutos os conhecereis” (Mt 7:16). O verdadeiro fruto é quando as pessoas manifestam publicamen­te que mudaram de vida. Precisamos desenvolver o dom de discernir, a fim de perceber a diferença entre a verdadeira e a má motivação… bem como o verdadeiro e o falso profeta!

Lembre-se de uma coisa: o propósito da restauração do ofício profético é preparar os corações para receber este minis­tério e os dons ministeriais nele contidos. Esses profetas serão a “voz que clama no deserto”, anunciando que é hora de prepa­rar o caminho de santidade do Senhor.

Fragmento do livro: “Vitoria no Deserto” de John Bevere. (Paginas 54, 55 e 56)

Leia com atenção!

Faço minhas as palavras deste poeta…

O valioso tempo dos maduros”

Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora.

Tenho muito mais passado do que futuro.

Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas.

As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam

poucas, rói o caroço.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.

Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados.

Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram,

cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir

assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.

Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.

Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário-geral do coral.

‘As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos’.

Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência,

minha alma tem pressa…

Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana,

muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com

triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade,

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,

O essencial faz a vida valer a pena.

E para mim, basta o essencial!

Mário Pinto de Andrade

Escritor e político angolano, de nome completo Mário Coelho Pinto de Andrade.

(1928-1990)

Nota:a todos quantos têm visitado esta página pensando tratar-se de um texto do escritor brasileiro Mário de Andrade, apresento desculpas, embora tenha sido induzida em erro também uma vez que o nome não estava tão completo.

do 07 ao 13 de março

Leia, medita, faça uma reflexão e tome as atitudes que sejam necessárias.

Se for possível deixe um comentário, com o objetivo de avaliar a nossa eficácia e para sabermos de como Deus tem usado a palavra da semana para falar com você. Desde já o nosso muito obrigado.

Confissões de Lúcifer – “Carta do coisa-ruim”

Uma ficção sobre Lúcifer, assim como C.S.Lewis escreveu “Carta do coisa-ruim.”

Depois de passar 6.000 anos vagueando pela Terra, aprendi muito da natureza humana, suas fraquezas, virtudes e seus desejos mais secretos.
Tenho consciência que minha causa foi derrotada, entretanto estou trabalhando freneticamente para levar ao destino que me aguarda o maior número possível de pessoas, pois sei que pouco tempo me resta [1].
Não é fácil a vida de um adversário do Todo Poderoso, principalmente porque Ele conta com um exército fiel espalhado pelo mundo inteiro que com suas orações produzem uma reviravolta em todo mal que intento.Felizmente são poucos os que oram de verdade, porque a maioria está mais preocupada consigo mesma, outros começam bem, me incomodam, mas logo desistem, pois não têm perseverança.
Fico admirado com o fascínio que exerço sobre alguns crentes, que falam mais de mim que de Deus. Rio muito quando eles tentam me amarrar, e dizem que naquela cidade eu não entro mais. Pois acaba a oração e eu continuo fazendo as mesmas estripulias.
O que esses cristãos não entendem é que não devem lutar contra mim, mas buscar Aquele que tem mais poder que eu.
Quando eu quase destruí a vida de Jó, ele não me dirigiu uma palavra sequer, mas dizia o tempo todo que sua causa estava diante de Deus, e que o seu Redentor vive. Quando humilhei Paulo colocando-lhe um espinho na carne, ele não tentou me acorrentar, mas apresentou sua fraqueza a Deus, que lhe deu vitória. Sinceramente, com gente assim não dá pra lutar.
Tenho prazer especial em atormentar esses que ficam preocupados comigo o dia todo. Eles dizem que me vêem em todos os lugares, até onde eu nem estou…. é muito engraçado. Com tais eu nem me previno, pois sei que são cristãos inseguros da fé que dizem possuir. Eles fazem parte daquele grupo que faz uma boa propaganda de mim, pois julgam que possuo muito mais poder do que realmente tenho e afirmam que fiz coisas das quais nada tive a ver.
Na verdade, eu sou um pobre diabo, condenado e derrotado, mas da forma que falam, é como seu fosse onisciente e onipotente. Será que eles não sabem que eu não posso fazer absolutamente nada sem a permissão do Todo Poderoso? Ah, se não fosse por Ele… mas, tudo bem, a propaganda é a alma do negócio.
Sou constantemente acusado de tirar muita gente da igreja. É mentira! Eles saem por que são levados pelos seus próprios interesses. Não fui eu quem instigou o filho pródigo a sair da casa do pai [2] e Demas abandonou o apóstolo Paulo porque amou mais o mundo do que a Deus [3].
Não tenho pretensão de tirar ninguém da igreja, pelo contrário. Quero deixá-los lá, pois farei de tudo para que sejam frios, apáticos, que fiquem brigando entre si por bobagem, que se dividam, e façam panelinhas entre eles. No que depender de mim farei com que tenham uma vida tão miserável, que quando forem evangelizar ninguém vai querer ter uma vida igual a deles.
Outra estratégia que uso muito é a de fazer com que os valores da igreja se pareçam cada vez mais com o mundo, pois assim quando as pessoas passarem a freqüentá-la, elas não precisarão mudar nada, e continuarão fazendo as mesmas coisas de antes. Não é genial?
Adoro soprar mentiras nos ouvidos das pessoas, afinal quero fazer jus ao meu nome de “pai da mentira”. É, eu digo-lhes que são como gafanhotos e eles acreditam, digo-lhes que são uns derrotados e eles nem se levantam da cama, digo-lhes que Deus não os perdoou por tal e tal pecado e eles ficam cheios de culpa.
Confesso também que sinto um enorme prazer em oprimir aqueles que se recusam a perdoar ao seu irmão, pois recebi carta branca do Todo Poderoso para atormentá-los com toda sorte de espíritos malignos [4], dos quais eu sou o principal. E não ponham a culpa em mim, pois só posso fazer isso se o cristão recusar a liberar perdão, pois quando ele perdoa é horrível a sensação de paz daquele coração, e eu saio correndo dali.
Acho muito engraçado quando usam sal grosso e oração forte contra mim. Nem ligo. Agora, o que eu temo mesmo é uma vida santificada. Contra um crente santificado, fiel e que tem a Palavra guardada no coração, desse eu fujo [5].
Como minha hora se aproxima eu estou trabalhando num projeto grandioso para este século. É uma estratégia tão ardilosa que são poucos os que a percebem.. Todos buscam uma divindade para adorar, por isso eu estou dando “Deus” de todos os tipos e para todos os gostos.
Eu estou enchendo o mundo de “Deus” para que eles fiquem tão confundidos que não saibam quem é o verdadeiro. Cada um pode ter o seu, do jeito que quiser.Vocês não imaginam como o povo gosta dessas novidades. Tenho queimado as pestanas inventando sacrifícios, novos rituais, e tenho levantado líderes que falam muito de Jesus, mas são meus súditos. Adoro soprar ventos de doutrinas porque os meninos na fé acreditam em tudo.
O meu objetivo com isso? Confundi-los e fazê-los imaginar que estão servindo a Deus. Agora, eu não aceito levar a culpa de tudo sozinho – eu só dou o que eles querem. Eles gostam do brilho, eles buscam glória pra si, eles crêem em todas as formas de misticismo, e eu nunca imaginei que esse povo gostasse tanto de ídolos. Séculos atrás lhes dei um bezerro de ouro, mas agora eles querem ídolos que cantam, que pregam, que profetizam…..
Muitos falam que eu sou feio, e até pintam quadros horríveis dizendo que eu tenho chifres, pêlos e cara de bode. Desde a minha criação sou muito vaidoso e jamais aceitaria ser desta forma. Se vocês ouvissem aquele tal apóstolo Paulo saberiam como eu sou de verdade – sempre fui um anjo de luz, fala mansa, voz agradável, boa aparência e muito convincente [6]. Felizmente são poucos os que me reconhecem.
Para terminar, eu quero dizer a todos que não sou ateu ou agnóstico. Eu creio e tremo diante de Deus [7].. Mas eu não consigo, não consigo me submeter. Submissão significa obediência, e eu não quero ser servo. Aliás, tem muita gente indo comigo que também crê em Deus, pratica seus atos religiosos, freqüenta igreja, e é dessa mesma opinião.

do 28 de fevereiro ao 06 de março

COMO LIDAR COM A OFENSA?

Nossa reação a uma ofensa determina nosso futuro.

1. EU, ESCANDALIZADO?

É inevitável que venham escândalos (Lc 17:1).

Quando viajo pelos Estados Unidos ministrando percebo umas armadilhas mais enganosas e mortais. Elas aprisionam inúmeros crentes, rompem relacionamentos e nos separam ainda mais: é a armadilha da ofensa, do escândalo. Muitos não conseguem responder ao chamado por causa das feridas e da mágoa que as ofensas causaram à vida deles. Eles estão incapacitados e impedidos de usar todo o seu potencial. Muito freqüentemente, foi outro crente que causou a ferida. Isso faz com que a ofensa pareça uma traição.

Davi lamenta-se:

Com efeito, não é inimigo que me afronta; se o fosse, eu o suportaria; nem é o que me odeia quem se exalta contra mim, pois dele eu me esconderia; mas és tu, homem meu igual, meu companheiro e meu íntimo amigo. Juntos andávamos, juntos nos entretínhamos e íamos com a multidão à Casa de Deus. Salmo 55:12-14.

São aqueles que se sentam ao nosso lado e cantam conosco, ou talvez aquele que prega. Passamos férias juntos, participamos de reuniões sociais e dividimos o escritório com eles. Talvez sejam até mais próximos. Crescemos juntos, confiamos neles e dormimos com eles. Quanto mais estreita a relação, maior a ofensa! Os maiores  sentimentos de ódio estão entre aqueles que um dia foram próximos.

Os advogados podem atestar que os casos mais horríveis estão na audiência de divorcio. A mídia americana constantemente relata casos de homicídios cometidos por membros desesperados de uma família. O lar, constituído para ser um abrigo de proteção, provisão e crescimento, onde aprendemos a dar e a receber amor é, freqüentemente, a raiz de toda a dor. A história nos mostra que as guerras mais sangrentas são as civis. Irmão contra irmão. Filho contra pai. Pai contra filho.

A lista de ofensa é tão interminável como a de relacionamento, não importa quão simples ou complexa. Verdade seja dita: apenas aqueles com quem você se importa são capazes de feri-lo. Você tem uma expectativa maior em relação a eles – afinal, você deu mais de você a eles. Quanto maior a expectativa, maior a queda.

O egoísmo impera em nossa sociedade. Os homens e as mulheres estão preparando-se para a rejeição e a dor que os outros lhes podem causar. Isso não deveria ser uma surpresa para nós. A Bíblia é bem clara que nos últimos dias os homens serão “egoístas” (2ª Timóteo 3:2). Podemos esperar isto de não crentes, mas Paulo não se está referindo àqueles fora da igreja. Ele está falando dos que estão dentro da igreja. Muitos estão feridos, amargurados e machucados. Estão ofendidos, mas não conseguem perceber que caíram na armadilha de Satanás.

É nossa culpa? Jesus deixou claro que é inevitável que sejamos escandalizados. Mesmo assim, muitos crentes ficam chocados, confusos e, até mesmo, surpresos quando isso acontece. Acreditamos que somos os únicos a sofrer uma ofensa. Isso nos deixa vulneráveis à raiz de amargura. Assim, devemos estar preparados e armados contra a ofensa e contra o escândalo, porque nossa reação determina nosso futuro.

A Armadilha Enganosa

A palavra “escandalizar”, de Lucas 17:1, vem do grego skandalon, que originalmente se referia à parte da armadilha onde se colocava a isca. Dessa forma, a palavra significa montar uma armadilha no caminho de alguém!

No Novo Testamento, ela geralmente descreve um engodo do inimigo. O escândalo e a ofensa são ferramentas do diabo para levar as pessoas cativas. Paulo instruiu o jovem Timóteo:

Ora, é necessário que o servo do Senhor não viva a contender, e sim deve ser brando para com todos, apto para instruir, paciente, disciplinando com mansidão os que se opõem, na expectativa de que Deus lhes conceda não só o arrependimento para conhecerem plenamente a verdade, mas também o retorno à sensatez, livrando-se  eles dos laços do diabo, tendo sido feitos cativos por ele para cumprirem a sua vontade (2ª Timóteo 2:24-26 – Destaque acrescido)

Aqueles que vivem a contender, e que se opõem, caem na armadilha e são feitos prisioneiros para fazer a vontade do diabo. E o que é mais alarmante é que não sabem que foram cativos! Como o filho pródigo precisa acordar para ver sua verdadeira condição. Precisam perceber que estão vomitando água amarga em vez de água pura.

Quando a pessoa é enganada, acredita que está certa, mesmo quando não está.

Independentemente da situação, podemos dividir os ofendidos em duas, grandes categorias:

a) aqueles que foram injustiçados ou

b) aqueles que acreditam que foram injustiçados.

As pessoas da segunda categoria acreditam de todo o coração que foram traídas. Geralmente, a conclusão a que chegam provém de informações incorretas; ou a informação está correta, mas a conclusão está distorcida. De qualquer forma, elas estão feridas e seu entendimento obscurecido. Julgam por dedução, aparência e rumor.

A verdadeira condição do coração.

Uma forma de o inimigo usar a pessoa escandalizada é mantendo a ofensa escondida, num manto de orgulho. O orgulho nos impedirá de admitir nossa verdadeira condição.

Certa vez fui severamente magoado por alguns ministros. As pessoas diziam “Não acredito que eles fizeram isso com você. Você está magoado?”

Eu respondia rapidamente: “Não, estou bem. Não estou magoado”. Sabia que estava errado em sentir-me escandalizado e ofendido, mas o que fiz, então, foi negar e reprimir esse sentimento. Convenci-me de que não estava ressentido, mas na realidade estava, e muito. O orgulho mascarou a verdadeira condição do meu coração.

O orgulho nos impede de lidar com a verdade. Ele distorce nossa visão. Nunca mudaremos se acreditarmos que estamos bem. O orgulho endurece o coração e obscurece os olhos do entendimento. Impede a mudança – o arrependimento – que nos vai libertar (veja 2ª Timóteo 2:24-26).

O orgulho faz com que nos vejamos como vítimas. A nossa atitude, então, é: “Fui maltratado e mal-entendido; então, tenho justificativa para meu comportamento”.

Porque achamos que somos inocentes e que fomos falsamente acusados, retemos o perdão. Embora a verdadeira condição do coração esteja escondida aos nossos olhos, não está escondida de Deus. Só porque fomos maltratados não podemos nos agarrar à ofensa.

A Cura

No livro de Apocalipse, Jesus se dirige à igreja de Laodicéia dizendo, inicialmente, como eles se vêem como pessoas ricas, abastadas, sem precisar de coisa alguma e depois expõe a verdadeira condição – eles eram infelizes, miseráveis, pobres, cegos e nus (Ap 3:14-20).

Eles confundiram sua força financeira com a espiritual.

O orgulho escondeu sua verdadeira condição.

Muitos são assim em nossos dias. Não enxergam a verdadeira condição de seu coração da mesma forma como fui incapaz de enxergar meu ressentimento contra aqueles ministros. Havia-me convencido de que não estava magoado. Jesus diz ao povo de Laodicéia como sair do engano: comprando o ouro de Deus e vendo sua verdadeira condição.

Comprar o Ouro De DEUS

A primeira instrução de Jesus para nos livrar do engano é comprando ouro refinado pelo fogo (Ap 3:18). O ouro refinado é maleável e não pode ser corroído. Só quando é misturado a outros metais (cobre, ferro, níquel e assim por diante) é que se torna duro, menos maleável e mais corrosivo. A mistura é chamada liga. Quanto mais alta a porcentagem de metais estranhos, mais duro ouro fica. Inversamente, quanto mais baixa a porcentagem de liga, mais maleável e flexível.

Imediatamente vemos o paralelo: o coração puro é como o ouro – maleável e flexível. Hebreus 3:13 nos diz que o coração pode ser endurecido através do engano do pecado! Se não conseguimos lidar com uma ofensa, ela vai produzir mais fruto de pecado, como amargura, ódio e ressentimento. Essas substâncias misturadas endurecem o coração, assim como as ligas fazem com o ouro. Elas reduzem ou tiram a ternura, causando uma grande insensibilidade. Somos, dessa forma, impedidos de ouvir a voz de Deus. Nossa capacidade visual é obscurecida. Cria-se um ambiente perfeito para o engano.

O primeiro passo no refino do ouro é pulverizá-lo e misturá-lo a uma substância chamada solvente. Essa mistura é levada ao forno em alta temperatura, as ligas e impurezas são atraídas ao solvente e levadas a superfície. O ouro (que é mais pesado) permanece no fundo. As Impurezas ou escória (como cobre, ferro e zinco, combinados com o solvente, são removidas, rendendo um metal mais puro.

Note o que Deus nos diz: “Eis que te acrisolei, mas disso não resultou prata; provei-te na fornalha da aflição” (Isaias 48:10).

E também: Nisto exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações, para que, una vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo, redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo (1ª Pedro 1:6, 7).

Deus refina com aflição, tribulação e provação e separa as impurezas como falta de perdão, amargura, ódio e inveja e imprime o seu caráter em nós.

O pecado facilmente se esconde onde não há o calor das provações e aflições. Em épocas de prosperidade e sucesso, até mesmo o ímpio parece generoso e gentil.

Sob o calor das provações, as impurezas vêem a tona.

Houve uma fase em minha vida que passei por uma provação que nunca havia experimentado. Tornei-me grosseiro e áspero para com os que me eram mais queridos.

Minha família e meus amigos começaram a me evitar. Eu clamei ao Senhor: “De onde vem todo este ódio? Ele não estava aqui antes!” O Senhor me respondeu: “Filho, quando o ouro é liquefeito, as impurezas aparecem”. Então, Ele me fez uma pergunta que mudou minha vida: “Você consegue ver as impurezas do ouro antes que seja levado ao fogo? “Não”, respondi. “Mas não significa que não estejam lá. Quando o fogo das provações o atinge, essas impurezas vêm à tona. Embora lhe pareçam escondidas, elas são sempre visíveis para mim. Agora você tem uma escolha que poderá mudar seu futuro: pode permanecer com raiva, culpando sua esposa, seus amigos, o pastor e até mesmo as pessoas com quem trabalha ou você pode ver a escória como ela verdadeiramente é e se arrepender, receber perdão, e Eu pegarei minha pá e removerei as impurezas de sua vida.”

Veja sua condição

Jesus disse que nossa habilidade de enxergar corretamente é outra chave para nos livrarmos do engano. Geralmente, quando somos ofendidos nos vemos como vítimas e culpamos aqueles que nos magoaram. Justificamos a amargura, a falta de perdão, a raiva, a inveja e ressentimento quando eles vêm à tona. Algumas vezes, até mesmo nos ressentimos com aqueles que nos fazem lembrar dos que nos magoaram. Por essa razão, Jesus nos aconselha a ungir nossos olhos com colírio, para que vejamos (Ap.3.18)

Vejamos o quê? Nossa verdadeira condição! Este é o único modo de conseguirmos “ser zelosos e nos arrependermos” conforme Jesus nos manda fazer. Só nos arrependemos quando paramos de culpar os outros.

Quando culpamos outras pessoas e defendemos nossa posição, estamos cegos. Lutamos para remover o argueiro do olho de nosso irmão enquanto temos uma trave em nosso próprio olho. É a revelação da verdade que nos traz liberdade. Quando o Espírito de Deus nos revela o pecado sempre o faz de tal forma que é separado de nós.

Somos, então, convencidos, e não condenados.

Minha oração é que, à medida que você for lendo este livro (fragmento), a Palavra de Deus ilumine seus olhos do entendimento para que veja sua verdadeira condição e livre-se da ofensa que guarda. Não permita que o orgulho o impeça de enxergar e arrepender-se.

Fragmento do primeiro capítulo do livro:

A ISCA DE SATANÁS

Saiba como Enfrentar e Vencer o Inimigo

John Bevere

Título original: The Bait Of Satan

Tradução de João Alves de Souza Filho

Editora Atos, 2002

20 ao 27 de febereiro

ALÉM DO RITUAL

As 7 dimensões da Ceia do Senhor

1. A Ceia do Senhor é uma ceia memorial.

2. A Ceia do Senhor é uma ceia de perdão.

3. A Ceia do Senhor é uma ceia de gratidão.

4. A Ceia do Senhor é uma ceia de fortalecimento.

5. A Ceia do Senhor é uma ceia de capacitação.

6. A Ceia do Senhor é uma ceia de comunhão.

7. A Ceia do Senhor é uma ceia de esperança.

Ação pratica para nossa semana

Dia da semana

Tema Ação prática
segunda-feira A Ceia do Senhor é uma ceia memorial. Lembre-se do que Jesus fez por você.Faça uma lista das coisas que você experimentou com Deus, principalmente aquelas pelas quais você sente gratidão especial.
terça-feira A Ceia do Senhor é uma ceia de perdão. Perdoar aos outros.Deixe que o Espírito Santo traga a seu espírito a quem tem que pedir perdão.Por mais difícil que seja, obedeça e faça o que o Espírito imprimir no seu espírito.
quarta-feira A Ceia do Senhor é uma ceia de gratidão. Dar graçasEscreva pelo menos duas ou três cartas, bilhetes ou telefonemas de agradecimento a pessoas que o tem ajudado.
quinta-feira A Ceia do Senhor é uma ceia de fortalecimento. Faça algo de bom para si mesmo.Tire um dia, umas horas, uns minutos de folga e faça algo que lhe dê ânimo e alegria.Faça algo que faz tempo que não faz.Cometa um ato extravagante de amor próprio ou pela sua família e sinta a força que isto produz em você.
sexta-feira A Ceia do Senhor é uma ceia de capacitação. Ter clareza sobre seu lugar na igreja.Teste a sua participação na igrejaTente descobrir se pode fazer mais do que tem feito.
Sábado A Ceia do Senhor é uma ceia de comunhão. Exercer comunhão fraternal.Convide uma família ou irmão da tribo para estar compartilhando o pão com você.Dê preferência para aqueles que você tem pouco contato com eles.
Domingo A Ceia do Senhor é uma ceia de esperança. Façamos juntos uma festa com a seguinte motivação: para honrar a Deus!

13 ao 20 de fevereiro

Desmascarando os gibeonitas!

Esse domingo, 13 de fevereiro, enquanto adorávamos o Espírito trouxe esta palavra a meu espírito: chegou o tempo de desmascarar os gibeonitas!

Deus começou trazendo a minha memória a derrota que o exército de Josué teve em Ai, então Ele sussurrou aos meus ouvidos: A vitória de ontem não garante a vitória de hoje! Isto quer dizer que, o que vivemos no passado, as vitórias do passado, não são certeza de vitória no presente.

Josué tinha vencido Jericó, uma grande vitória, mas não era a certeza de vitória contra Ai. Josué enviou espias para Ai, e conforme o relatório dos espias mandou um exército reduzido de aproximadamente 3000 homens. Para surpresa de Josué, e o povo, o exército foi derrotado. O versículo 1 do capítulo 7 me dá a razão do derrota: Mas os israelitas foram infiéis com relação às coisas consagradas. Deus tinha deixado muito claro que Jericó, a primeira cidade a ser conquistada, seria toda para Ele, ratificando assim a lei da primícia, mas Acã tomou daquilo que a Deus pertencia (não vou entrar em detalhes com relação ao pecado de Acã, deixaremos isso para outra vez). O versículo 6 do capítulo 7 nos mostra que após a derrota Josué, e os líderes de Israel buscaram saber da parte de Deus a razão da derrota. Na verdade isso teria que ser feito antes de sair para a batalha, mas como estavam empolgados pela vitória contra Jericó ignoraram esta atitude tão importante. Nunca esqueça que: A vitória de ontem não garante a vitória de hoje!

Depois da dolorosa experiência com Ai, Josué e o povo foram submetidos a um segundo teste: Os gibeonitas.

O capítulo 9 nos relata esta história.

Quero começar essa parte com este versículo: a fim de que Satanás não tivesse vantagem sobre nós; pois não ignoramos as suas intenções. 2ª Coríntios 2:11. NVI.

Não podemos ignorar a intenções de nosso inimigo, foi o que aconteceu com Josué, só a modo de lembrança, ele tinha sido derrotado em Ai, por excesso de confiança, estava prestes a cair numa cilada dos gibeonitas.

Observemos como foi elaborada a estratégia dos gibeonitas para enganar Josué e o povo de Israel.

Eles se fantasiaram com coisas velhas:

  • Sacos gastos.
  • Vasilhas de couro velhas, rachadas e remendadas.
  • Os homens calçavam sandálias gastas e remendadas e vestiam roupas velhas.
  • Todos os pães do suprimento deles estavam secos e esmigalhados.

Tudo era velho… Dessa maneira, simularam que era um povo que morava a dias de distância, mas na verdade era um povo que ficava muito perto, assim enganaram a Josué e ao povo, que fizeram um acordo com eles.

Quero que possamos entender isto, de maneira mais clara. É fato que os gibeonitas podem se manifestar de várias formas encarnando vários inimigos, mas quero que você olhe para sua alma como um gibeonita. A sua alma se veste de coisas velhas, pensamento, hábitos, argumentos, pecados… Com o propósito de fazer um açodo para se sobre proteger, nunca esqueça que estamos em meio a uma transição: estamos transicionando do velho para o novo, e é em meio a esta transição que sua alma ressuscita tudo o que é velho, com o propósito de te impedir de avançar e conquistar o que Deus tem para ti neste tempo.

Duas coisas que me chamam muito a atenção. Nos versículos 14 E 15 do capítulo 9, há uma informação que creio ser de muita importância:

Os israelitas examinaram as provisões dos heveus, mas não consultaram o Senhor.

Então Josué fez um acordo de paz com eles, garantindo poupar-lhes a vida, e os líderes da comunidade o ratificaram com juramento.

O texto declara que não consultaram ao Senhor e fizeram um acordo. E é isso que acontece conosco, nossa alma nos engana com argumentos, pensamentos, estruturas velhas, e entramos em acordo com ela de não destruir tudo o que impede, de tomarmos posse deste novo tempo.

Cada vez que nossa alma vir travestida, disfarçada, com argumentos velhos tenho que consultar ao Senhor, tenho que colocar diante dele, e se Ele discordar do que tenho ouvido, tenho que mandar a minha alma calar sua boca e se submeter a vontade do Eterno.

Outra coisa importante é, a razão pela qual os gibeonitas enganaram a Josué e ao povo. A partir do versículo 22 começa um relato: Em resumo é porque eles sabiam a palavra de ordem e conquista que o Senhor tinha dado a seu povo com o propósito de conquistar a terra que baixo juramento o Senhor prometera.  Aqui há outro aspecto importante: os gibeonitas se levantam porque sabem a palavra que Deus tem liberado sobre as nossas vidas e sabem que dentro dessa palavra está o comando de destruir todos os inimigos que nos impedem de tomar posse da promessa.

Mas, profeticamente, é chegado o tempo de desmascarar este inimigo. O texto nos relata que: após três dias do acordo feito o povo de Israel ficou sabendo que tinham sido enganados. (versículo 16)

Três dias aponta, sinaliza para o tempo da manifestação, tempo de aparecer. Jesus se manifestou ressurreto após três dias. Ester após três dias de jejum se apresentou na presença de Assuero para interceder em favor do povo. Creio que profeticamente é o tempo de que a farsa dos nossos inimigos seja manifesta diante dos nossos olhos para que não sejamos mais enganados. Por isso quando a sua alma vir com argumentos de “coitadinha” não acredite nela, elimine e submeta ao senhorio de Cristo todas as áreas deficientes e deformadas que fazem parte dela (alma) para que o caráter de Cristo se manifeste na sua vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s